Instituto Paulo Freire busca doação de instrumentos musicais para formação de jovens do Jardim Monte Cristo

Trompetes e trombones são necessidades urgentes para apresentações de Natal

A formação musical de 214 crianças e adolescentes é um desafio diário no Instituto Paulo Freire de Ação Social. Apesar dos “arranjos” para revezamento entre atendidos das cinco turmas, a carência de instrumentos impede que a aprendizagem de todos siga no mesmo compasso nas oficinas de violão, trompete, violino e flauta doce.

As oficinas de musicalização, canto coral e instrumentos são os principais atrativos das crianças que frequentam o local no contraturno da escola regular. Com o projeto musical, o Instituto Paulo Freire busca promover o desenvolvimento de valores culturais e habilidades mentais, além de reduzir a ansiedade e o estresse juvenil.

A proximidade do Natal torna a necessidade dos instrumentos ainda mais urgente com o objetivo de atender a agenda de apresentações de fim de ano. “Já temos adolescentes prontos para tocar mas não temos instrumentos de sopro”, pondera a coordenadora pedagógica da instituição, Sandra Landim. Para sanar essa situação, seriam necessários, no mínimo, cinco trompetes e trombones em si bemol. “A fanfarra é uma oficina que chama a atenção de todos e temos 30 instrumentos de percussão e só seis instrumentos de sopro”.

“Seria necessário um instrumento para cada criança. Cada turma tem em média 30 atendidos”, afirma Vinicius Aparecido dos Santos Silva, instrutor musical do Instituto, sobre o cenário ideal para as práticas musicais. Em um contexto razoável, um instrumento poderia ser manejado em dupla – o que já garantiria uma melhora no rendimento. Há, ainda, a preocupação em garantir o acesso instrumental para as crianças menores, a exemplo de violinos infantis.

Ao ingressar no Instituto Paulo Freire, as crianças passam por exercícios de musicalização, iniciam os instrumentais com a flauta doce e são direcionados para o aperfeiçoamento de acordo com sua escolha – muitas se aperfeiçoam em mais de um instrumento. As oficinas de canto coral abrangem a todas as faixas etárias e servem de reforço para as demais práticas musicais.

Os aprendizes em níveis mais avançados se apresentam nas agendas externas ao Instituto e têm participação cativa no Desfile Cívico de 7 de setembro. A força tarefa do momento é preparar o grupo para as apresentações de Natal. No dia 1 de dezembro, os 214 participantes do coral e da fanfarra do Instituto Paulo Freire vão se apresentar na comemoração de Natal na Igreja Assembleia de Deus Belém.

Contribua com o Instituto Paulo Freire:
Caixa Econômica Federal
Agência 0296 | Operação 03 | CC 000735-3
Instituto Paulo Freire de Ação Social